Alimento Diário - Dia: 19/11/2018

  • Série: A Idéia Central das Epístolas de Paulo

    Mensagem: O Espírito prometido ? (Gl 3:1-5, 14)

    Leitura bíblica: Mt 13:1-23; Gl 4:1-7; Ef 3:4-6, 10; Fp 3:13-14; Cl 2:2; Fm 10-18

    Ler com oração: Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne (Ez 36:26).

    • A ECONOMIA DE DEUS ILUSTRADA NA FIGURA DE UM AVIÃO

      O tema desta semana é o Espírito prometido. Deus tem um plano para o homem, que é a Sua economia no Novo Testamento. Já vimos, dentro da ilustração do avião, que o livro de Gálatas pode ser comparado à fuselagem, a cabine desse avião. O destino desse avião é o reino, e nessa “cabine de voo”, ou seja, na vida da igreja, todos nós estamos sendo preparados para reinar. Nela temos tutores e curadores que nos ajudam a crescer em vida até atingirmos a maturidade para, como herdeiros, cuidarmos dos negócios de Deus (Gl 4:1-7). Além da fuselagem, para chegarmos ao nosso destino, precisamos sair do “chão”, e, para isso, assim como um avião precisa de duas asas, nós precisamos dos livros de Colossenses e Efésios. O livro de Colossenses fala do mistério de Deus, que é Cristo (2:2), e o livro de Efésios fala do mistério de Cristo, que é a igreja (3:4-6, 10). Portanto precisamos de Cristo e da igreja para termos equilíbrio e sustentação em nossa vida cristã e, assim, “levantar voo” e alcançar a meta do nosso chamamento. A carta de Paulo aos Filipenses mostra que temos um alvo, uma meta, e precisamos deixar para trás todas as coisas que passaram, avançando para as que estão diante de nós, pois há um prêmio para o soberano chamamento que recebemos (3:13-14). Por fim, para um avião decolar e pousar, precisa de uma pista sólida; semelhantemente, nós precisamos de uma base sólida para recebermos e ajudarmos uns aos outros. Essa base é o amor revelado no livro de Filemom. A carta de Paulo endereçada a Filemom, um dos irmãos responsáveis da igreja em Colossos, fala a respeito de Onésimo. Ele era escravo de Filemom e o havia defraudado e fugido de sua casa (Fm 15, 18). Naquela época, um escravo não tinha importância nenhuma e era tratado como um objeto. No entanto Paulo o encontrou em Roma e, com muito amor e paciência, cuidou dele, de forma que Onésimo se tornou útil para o próprio Filemom e para o Senhor. Essa expressão do amor que havia no coração do apóstolo Paulo é o que precisa reger nosso viver na igreja, uma ajuda mútua para sermos úteis nas mãos de Deus. Em Mateus 13 o Senhor Jesus compara o nosso coração a uma terra onde a Palavra de Deus é semeada (vs. 1-23). Ali vemos quatro tipos de solo: terra batida, solo pedregoso, terra com espinhos e, finalmente, a boa terra que dá muito fruto. Após a queda do homem, nosso coração se tornou como uma terra muito ruim, ou seja inútil, sem nenhum amor pelo próximo. Ignorávamos as coisas de Deus e tínhamos problemas no relacionamento com as pessoas, seja entre marido e mulher, pais e filhos, ou colegas de trabalho. Isso acontece porque o “solo” do nosso coração era totalmente inadequado. Mas louvamos o Senhor porque, após sermos salvos, Ele, pouco a pouco, está substituindo essa “terra ruim” por uma “terra boa” e “frutífera”! Conforme crescemos em vida, ganhamos mais amor e paciência para lidar com os irmãos e ajudá-los nas suas dificuldades. Graças a Deus por isso!

       

      Ponto chave: Mais amor e paciência para ajudar os irmãos.

       

      Pergunta: Qual é a relação entre a parábola do semeador e o trabalhar do Senhor em nossos corações?

       

      Sua resposta:

       

      Amanhã disponibilizaremos um novo texto, acesse nosso site e confira!